O Direito Internacional em face da pirataria em alto-mar: uma perspectiva crítica

Maiquel Aneglo Dezordi Wermuth, Rafaela Corrêa

Resumo


O presente artigo tem por objetivo analisar criticamente as insuficiências do Direito Internacional e suas instituições/organizações no enfrentamento eficaz ao crime de pirataria em alto-mar. A partir de revisão de bibliografia e legislação acerca do assunto, procura-se compreender a pirataria como um fenômeno recorrente no cenário contemporâneo, impondo ao Direito Internacional um importante desafio, afinal, por se tratar de um crime cometido em alto-mar, onde não há jurisdição de nenhum Estado, a pirataria configura uma prática de difícil persecução e punição. Como hipótese orientadora da pesquisa, salienta-se que a referida persecução e punição deve ser feita pelo Estado prejudicado imediatamente após o fato, que deve capturar e julgar os piratas, o que encontra óbice no fato de que muitos países não possuem uma tipificação penal adequada para punir tal crime.

Palavras-chave


Direito Internacional. Pirataria em alto-mar. Perseguição. Punição.

Texto completo:

PDF

Referências


ACOSTA ESTÉVEZ, José B. El Tribunal Internacional del Derecho del Mar. Barcelona: ANUE, 2002.

BEIRÃO, André Panno; PIÑON, Charles Pacheco. In. VARELLA, Marcelo D. A IMO e a repressão ao roubo armado contra navios: da retórica internacional à cooperação regional. Revista de Direito Internacional, vol.12, no.1. (nesta edição).

BÖHM-AMOLLY, Alexandra von. O Direito internacional marítimo e o direito nacional no combate à pira¬taria: potencialidades e limitações. Boletim Ensino Investigação, n. 10, p. 59-73, maio 2011.

BRANDÃO, Eduardo Henrique Serra. Afinal o que é pirataria? 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2014.

BIZAWU, SébastienKiwonghi. Pirataria nas águas inter¬nacionais e as novas tendências do direito internacional privado. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2014.

CANINAS, Osvaldo Peçanha. Pirataria marítima moderna: história, situação atual e desafios. Revista da Escola de Guerra Naval, Rio de Janeiro, n. 14, p. 101-122, 2009.

CRETELLA NETO, José. Curso de direito internacional penal. Ijuí: Unijuí, 2008.

D´ANGELIS, Wagner Rocha. Pirataria no direito internacio¬nal. 2011 Disponível em: . Acesso em: 19 out. 2014.

HILSE, Gwendolin; RIFFEL, Bettina. Pirataria mora agora no Golfo da Guiné. Deutsche Welle, 04 mar. 2014. Disponível em: . Aces¬so em: 27 jun. 2014.

LETRA, Leda. Banco Mundial: pirataria custa US$ 18 bilhões por ano à economia global. Rádio ONU, Nova York, 11 abr. 2013. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2014.

MARCHESE, Bruno Horvath. A importância da pirataria marítima e o seu combate na Somália. 2011. Disponível em: . Acesso em: 18 jun. 2014.

MEDEIROS, Roberto Carvalho de. Pirataria no mar não é coisa do passado. Disponível em: . Acesso em: 24 mar. 2014.

NOBRE, Luciana. Pirataria é assunto de debate da OMI. El País.com.co, 14 abr. 2013. OMI. Disponível em: . Acesso em: 09 set. 2014.

ONU. Organização das Nações Unidas. Decreto-Lei n. 44490. Convenção sobre o alto mar. Aprovada na primeira conferência do mar realizada em Genebra em 1958. Disponível em: . Acesso em: 9 abr. 2014.

ONU. Organização das Nações Unidas. Decreto n. 1530. Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar. Concluída em Jamaica/1982. Disponível em: . Acesso em: 9 abr. 2014.

PINTO, Paulo Evandro da Costa; VENANCIO, Daia na Seabra. De volta para o passado: a prática da guar¬da armada em navios mercantes para proteção contra os piratas no século XXI. Revista Brasileira de Estudos de Defesa, 2012. Disponível em: . Acesso em: 11 ago. 2014.

SCHNEIDER, Eduardo Augusto S. da C.. In. VARELLA, Marcelo D. Pirataria marítima: a experiência Somália. Revista de Direito Internacional, vol.12, no.1. (nesta edição).

VENANCIO, Daiana Seabra. A definição de pirata ria marítima e as implicações para a segurança na navegação. Revista da Escola de Guerra Naval, Rio de Janeiro, v. 18, n. 2, p. 135-137, jul./dez. 2012. Disponível em: . Acesso em: 09 out. 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rdi.v12i1.3262

ISSN 2236-997X (impresso) - ISSN 2237-1036 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia