A análise do mecanismo redd+ com vistas à mitigação dos efeitos das mudanças climáticas e à proteção da diversidade biológica florestal

Diogo Andreola Serraglio, Heline Sivini Ferreira

Resumo


Considerando que as intervenções humanas no meio ambiente são a principal causa das mudanças climáticas, o presente estudo volta-se à análise do REDD+, um mecanismo de combate ao desflorestamento que incentiva as reduções de emissões de gases de efeito estufa na atmosfera por desmatamento e degradação ambiental e as boas práticas de conservação e restauração que propiciam a manutenção e o aumento dos estoques de carbono. Por meio do método dedutivo, fazendo-se a subsunção da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB), bem como de todo aparato legislativo elaborado em âmbito internacional desde então, pretende-se atingir os seguintes objetivos específicos: inicialmente, examinar os principais aspectos da UNFCCC e do Protocolo de Quioto, enfatizando-se a relação existente entre florestas e mudanças climáticas; posteriormente, tratar dos mecanismos de flexibilização estabelecidos pelo Protocolo de Quioto, conferindo-se destaque ao Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL); ulteriormente, analisar a evolução do debate a respeito do REDD+ no âmbito das negociações climáticas; e, por fim, relacioná-lo à proteção da diversidade biológica florestal. Reconhece-se que o REDD+, a despeito das limitações existentes por ser um instrumento de caráter eminentemente econômico, pode vir a contribuir para a conservação dos remanescentes florestais, auxiliando não apenas a implementação da política internacional de mudanças climáticas, mas também a preservação da diversidade biológica florestal.

Palavras-chave


Mudanças Climáticas; Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima; Protocolo de Quioto; Mecanismo de Desenvolvimento Limpo; REDD+; Diversidade biológica florestal.

Texto completo:

PDF

Referências


BIERMANN, F. Saving the atmosphere: international law, developing countries and air pollution. Berlin: Peter Lang, 1995.

BODANSKY, D. The history of the global climate change regime. In: LUTERBACHER, U., SPRINZ, D.F. (Ed.). International relations and global climate change. Cambridge: MIT Press, 2001.

BORGES, L.C.R. Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação – REDD: desafios e oportunidades para o Brasil no contexto das mudanças climáticas. 2011. ?f. Dissertação (Mestrado) - Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília, 2011. Disponível em: http://repositorio.unb.br/. Acesso em: 01 abr. 2015.

BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Nota informativa 01: Florestas tropicais, mitigação e adaptação às mudanças climáticas. MMA: Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental, 2012.

BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. REDD+ Brasil: REDD+ na COP21. Disponível em: http://redd.mma.gov.br/index.php/pt/informma/item/258-redd-na-cop-21. Acesso em: 20 mar. 2016.

BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. REDD+ na Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente. Disponível em: http://mma.gov.br/redd. Acesso em: 15 jun. 2015.

CBD SECRETARIAT. COP10 Decision X/2: Strategic Plan for Biodiversity 2011-2020. 2010. Disponível em: https://www.cbd.int/decision/cop/?id=12268. Acesso em: 01 abr. 2015.

CHUTZ, N. What Will It Take to Make REDD Work? United Nations Mandated University for Peace: Natural Resources and Sustainable Development, 2010.

CONVENTION ON BIOLOGICAL DIVERSITY (CBD). Quick Guides to the Aichi Biodiversity Targets. Version 02. UNEP, 2013.

CORRÊA, C. E. Meio Ambiente e a agricultura no século XXI. Curitiba: Ithala, 2013.

DERANI, C.; CHRISTOFOLI, B. O Redd+ e a convenção do clima: avanços da COP 19. Revista de Direito Ambiental, v. 76, p. 511-529, 2014.

GALDINO, V.S.; WEBER, G.B. Do protocolo de Quioto: mecanismo de desenvolvimento limpo e sequestro de carbono. Revista de Direito Ambiental, v. 52, 2008.

GRAU NETO, W. O Protocolo de Quioto e o mecanismo de desenvolvimento limpo: uma análise crítica. 2006. 189 f. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

GTZ. Making REDD work: A practitioner’s guide for successful implementation of REDD. RT Druckwersktaten Mainz: Federal Ministry for Economic Cooperation and Development, 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE FLORESTAS. Sequestro de Carbono. Disponível em: http://www.ibflorestas.org.br/sequestro-de-carbono.html. Acesso em: 27 abr. 2015.

INSTITUTO DE PESQUISA AMBIENTAL DA AMAZÔNIA (IPAM). REDD no Brasil: um enfoque amazônico. Brasília, DF: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), 2011.

INSTITUTO DE PESQUISA AMBIENTAL DA AMAZÔNIA (IPAM). Why REDD Matters. IPAM, 2007.

KHATRI, D.B.; KARKI, R.; BUSHLEY, B. REDD+ Payments and Benefit-Sharing Mechanisms in Nepal. Forest Action, 2010.

LEAL-ARCAS, R. Climate Change and International Trade. Cheltengham, UK: Edward Elgar Publishing Limited, 2013. LEHR, D. REDD + Safeguards: Forests Report Bonn. Disponível em: http://reddplussafeguards.com. Acesso em: 01 abr. 2015.

LESNIEWSKA, F. UNFCCC REDD+ COP Decisions: The Cumulative Effect on Forest Related Law Processes. Martinus Nijhoff Publishers: International Community Law Review 15, 2013. MAMED, D. de O. Pagamento por Serviços Ambientais e mercantilização da natureza na sociedade moderna capitalista. 2016. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Direito, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Paraná, 2016. Disponível em: http://www.biblioteca.pucpr.br/tede/tde_busca/. Acesso em: 20 abr. 2016. MILES, L. et al. REDDD+ and the 2020 Aichi Biodiversity Targets: Promoting synergies in international forest conservation efforts. UN-REDD Programme: Policy Brief Issue 05, 2015.

NUSDEO, A.M.O. Pagamentos por serviços ambientais: sustentabilidade e disciplina jurídica. São Paulo: Atlas, 2012.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima. 1992. Disponível em: http://unfccc.int/resource/docs/convkp/conveng.pdf. Acesso em: 01 abr. 2015.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Kyoto Protocol to the United Nations Framework Convention on Climate Change. UN. 1997. Disponível em: http://unfccc.int/resource/docs/convkp/kpeng.pdf. Acesso em: 01 abr. 2015.

PAINEL INTERGOVERNAMENTAL SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS (IPCC). Climate Change 2014: Synthesis Report. Contribution of Working Groups I, II and III to the Fifth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change. IPCC: Genebra, Suíça, 2014.

PAINEL INTERGOVERNAMENTAL SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS (IPCC). Land Use, Land-Use Change, and Forestry. Reino Unido: Cambridge University Press, 2000.

PLURINATIONAL STATE OF BOLIVIA. The Joint Mitigation and Adaptation Mechanism for the Integral and Sustainable Management of Forests (JMA). Ministério das Relações Exteriores: Estado Plurinacional da Bolívia, 2014. Disponível em: https://unfccc.int/files/. Acesso em: 01 abr. 2016.

RIVERA, M.T. C. El cambio climático: análisis científico y jurídico del problema de la emisión de gases de efecto invernadero. Revista de Derecho Urbanístico y Medio Ambiente, v. 31, n. 156, 1997.

SAVARESI, A. Reducing emissions in the forest sector under the United Nations Framework Convention on Climate Change: a new opportunity for biodiversity conservation? In: MAES, F.; CLIQUET, A.; PLESSIS, W.; MC-LEOD-KILMURRAY, H. Biodiversity and Climate Change: Linkages at International, National and Local Levels. Cheltenham, UK: Edward Elgar, 2013.

THE REDD desk. What is REDD+? Disponível em: http://theredddesk.org/what-is-redd. Acessado em: 04 jun. 2015.

UICN; WWF-BRASIL; IPÊ. Metas de Aichi: Situação atual no Brasil. Brasília, DF: UICN, WWF-Brasil e Ipê, 2011.

UNEP. Integração entre o meio ambiente e o desenvolvimento: 1972-2002. Disponível em: http://www.wwiuma.org.br/. Acesso em: 01 abr. 2015.

UNFCCC SECRETARIAT. Conference of the Parties: Report of the Conference of the Parties on its nineteenth session, held in Warsaw from 11 to 23 November 2013. UNFCCC Secretariat: 2014a. Disponível em: http://unfccc.int/resource/docs/2013/cop19/eng/. Acesso em: 01 abr. 2015.

UNFCCC SECRETARIAT. Decision -/CP.20: Lima Call for Climate Action. 2015. Disponível em: https://unfccc.int/files/meetings/lima_dec_2014/application/pdf/auv_cop20_lima_call_for_climate_action.pdf. Acesso em: 01 abr. 2015.

UNFCCC SECRETARIAT. Decision 1/CP.16 - The Cancun Agreements: Outcome of the work of the Ad Hoc Working Group on Long-term Cooperative Action under the Convention. UNFCCC Secretariat, 2011. p. 12. Disponível em: http://unfccc.int/resource/docs/2010/cop16/eng/07a01.pdf-page=2. Acesso em: 01 abr. 2015.

UNFCCC SECRETARIAT. Decision 3/CP.19 – Long term Climate Finance: Report of the Conference of the Parties on its nineteenth session, held in Warsaw from 11 to 23 November 2013.

UNFCCC Secretariat, 2014b. p. 09. Disponível em: http://unfccc.int/resource/docs/2013/cop19/eng/10a01.pdf - page=9. Acesso em: 01 abr. 2015.

UNFCCC SECRETARIAT. Decision booklet REDD+: Key decisions relevant for reducing emissions from deforestation and forest degradation in developing countries.

UNFCCC Secretariat, 2014. p. 02. Disponível em: http://unfccc.int/6917.php. Acesso em: 01 abr. 2015.

UNFCCC SECRETARIAT. Draft decision -/CP.21 – Adoption of the Paris Agreement. 2015. Disponível em: https://unfccc.int/resource/docs/2015/cop21/eng/ l09r01.pdf. Acesso em: 20 mar. 2016.

UNFCCC SECRETARIAT. Draft decision -/CP.21: Report of the Green Climate Fund to the Conference of the Parties and guidance to the Green Climate Fund. 2015. Disponível em: http://unfccc.int/resource/docs/2015/cop21/eng/l07r01.pdf. Acesso em: 20 mar. 2016.

UNFCCC SECRETARIAT. LULUCF: Developments at past COP and SB sessions. Disponível em: http://unfccc.int/land_use_and_climate_change/lulucf/items/3063.php. Acesso em: 01 abr. 2015.

VIÑUALES, J.E. El régimen jurídico internacional relativo al cambio climático: perspectivas y prospectivas. Disponível em: http://www.oas.org/. Acesso em: 01 abr. 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rdi.v13i2.4050

ISSN 2236-997X (impresso) - ISSN 2237-1036 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia