Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência: como “invisíveis” conquistaram seu espaço

Luana da Silva Vittorati, Matheus de Carvalho Hernandez

Resumo


O presente trabalho foi realizado por meio de pesquisa bibliográfica e documental, com o objetivo de analisar o processo político-jurídico em âmbito internacional e nacional que levou à elaboração da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, sua aprovação e recepção no ordenamento jurídico brasileiro, inclusive com status de emenda constitucional. Para tanto se buscou compreender a sistemática de recepção e incorporação dos tratados de direitos humanos no ordenamento jurídico brasileiro, demonstrando, em seguida, a importância destes instrumentos no processo de luta por direitos humanos. Em razão do contexto de exclusão, vulnerabilidade e invisibilidade a que esteve – e ainda está – submetida grande parte das pessoas com deficiência no Brasil, mostrou-se relevante analisar como esses indivíduos se organizaram em torno de uma luta por direitos humanos, de modo que alcançaram não apenas a elaboração de uma Convenção Internacional que lhes garantissem direitos humanos, mas também a participação nesse processo. Por fim, retrata a luta pela ratificação da Convenção, alcançada em tempo considerado curto e com o inédito status de Emenda Constitucional, coroando um processo intenso de luta por direitos humanos. O trabalho conclui, ao final, que a participação das pessoas com deficiência teve importância decisiva nos processos que culminaram nas conquistas já mencionadas e ainda abriu um novo caminho para a luta por direitos deste grupo, agora em âmbito transnacional.

Palavras-chave


Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência; Direitos Humanos; Direito Internacional Público; Ativismo Transnacional; “Nada sobre nós sem nós”.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, José Augusto Lindgren. Os direitos humanos como

tema global. São Paulo: Perspectiva, 2003.

ALVES, José Augusto Lindgren. Relações internacionais e temas

sociais: a década das conferências. Brasília: IBRI, 2001.

ARAÚJO, Luiz Alberto David Araújo. A proteção

constitucional das pessoas com deficiência. 4. ed. Brasília:

CORDE, 2011.

ATALLA, Regina. Convenção Internacional dos Direitos das

Pessoas com Deficiência é concluída com a participação histórica

da sociedade civil: agora o foco da batalha passa para a

ratificação e implementação da Convenção no Brasil.

Disponível em:

ulo=akemi&parametro=18453>. Acesso em: 15 out. 2013.

ATALLA, Regina. Entrevista com Luis Gallegos

Chiriboga, Presidente (2002-2005) do Comitê Ad

Hoc que Elaborou a Convenção Sobre os Direitos das

Pessoas com Deficiência. SUR: Revista Internacional de

Direitos Humanos, Brasília, v.8, n. 14, p. 208-212, jun.

BEVILÁQUA, Clóvis. Direito público internacional. 2. ed.

Rio de Janeiro: F. Bastos, 1939. v. 2.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Rio de Janeiro:

Campus, 2004.

BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. 20.

ed. São Paulo: Malheiros, 2007.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República

Federativa do Brasil. 1988. Disponível em:

planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.

htm>. Acesso em: 20 out. 2013.

BRASIL. Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009.

Promulga a Convenção Internacional sobre os

Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo

Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março

de 2007. Disponível em:

ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm>.

Acesso em: 20 out. 2013.

BRASIL. Decreto nº 7.030, de 14 de dezembro de

Promulga a Convenção de Viena sobre o Direito

dos Tratados. Disponível em:

gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d7030.

htm>. Acesso em: 20 out. 2013.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Habeas corpus.

HC n. 72.131. Relator: Ministro Moreira Alves.

Disponível em:

paginador.jsp?docTP=AC&docID=73573> Acesso

em: 28 de jan. 2013.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Habeas

Corpus. HC n. 87.585. Ministro Relator: Marco

Aurélio. Disponível em:

jurisprudencia/14716538/habeas-corpus-hc-87585-

to>. Acesso em: 15 maio 2014.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Recurso

Extraordinário. RE n. 80.004. Ministro Relator: Xavier de

Albuquerque. Disponível em:

br/jurisprudencia/14614120/recurso-extraordinario-re80004-se>.

Acesso em: 15 maio 2014.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Recurso

Extraordinário. RE n. 349.73. Ministro Carlos

Britto. Disponível em:

jurisprudencia/14716550/recurso-extraordinario-re349703-rs>.

Acesso em: 15 maio 2014.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. STF restringe a

prisão civil por dívida a inadimplente de pensão alimentícia.

Disponível em

verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=100258>. Acesso

em: 28 jan. 2013.

BRASIL. Notícias STF: Depositário infiel: jurisprudência

do STF muda e se adapta ao Pacto, 2009. Disponível em:

asp?idConteudo=116379>. Acesso em 20 out. 2013.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito

constitucional e teoria da Constituição. 7. ed. Coimbra:

Almedina, 2003. p. 393.

CASELLA, Paulo Borba; HILDEBRANDO, Accioly;

SILVA, G. E. Manual de Direito Internacional Público. 20.

ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

COMPARATO, Fábio Konder. A afirmação histórica dos

direitos humanos. 7 ed. revista e atualizada. São Paulo:

Saraiva, 2010.

DEMBOUR, Marie-Bènèdicte. What are humans

rights? Four Schools of Thought, 2010. Humans Right

Quarterly, v. 32, n. 1. p. 1-20, fev. 2010.

DINIZ, Débora. O que é deficiência. São Paulo:

Brasiliense, 2012.

DONNELLY, Jack. The social construction of

international human rights. In: DUNNE, T.;

WHEELER, N. Human rights in global politics. Cambridge:

Cambridge Press, 1999.

DUNNE, T.; WHEELER, N. (Org.). Human rights in

global politics. Cambridge: Cambridge Press, 1999.

FALK, R. Human rights horizons: the pursuit of justice in

a globalizing world. London: Routledge, 2000.

FEINGOLD, C. The Little Red Schoolbook and the

European Convention on Human Rights, Human Rights

Review, v. 3, 1978.

FLORES, Joaquín Herrera. A (re)invenção dos direitos

humanos. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2009.

FONSECA, Ricardo Tadeu Marques da. O novo conceito

constitucional de pessoa com deficiência: um ato de coragem.

In: FERRAZ, Carolina Valença et al.(Org.) Manual dos direitos

da pessoa com deficiência. São Paulo: Saraiva, 2012.

GUIMARÃES, Deocleciano Torrieri. Dicionário Técnico

Jurídico. 9. ed. São Paulo: Rideel, 2007

GORDILLO, Agustín. Derechos humanos: doctrina, casos

y materiales: parte general. Buenos Aires: Fundación de

Derecho Administrativo, 1990.

HEYNS, Christof; PADILLA, David; ZWAAK,

Leo. Comparação esquemática dos sistemas regionais

de direitos humanos: uma atualização. SUR -Revista

Internacional de Direitos Humanos, n. 4, p. 161-169, 2006.

KECK, Margaret E.; SIKKINK, Kathryn. Transnational

advocacy networks in internacional and regional politics. 1999.

Disponível em:

icb.topic446176.files/Week_7/Keck_and_Sikkink_

Transnational_Advocacy.pdf>. Acesso em: 22 out. 2013.

KELSEN, Hans. O problema da justiça. 2. ed. São Paulo:

M. Fontes, 1996.

KRATOCHWIL, Friedrich. Rules, norms and decisions.

Cambridge: Cambridge University Press, 1989.

LAFER, Celso. Comércio, desarmamento e direitos humanos.

São Paulo: Paz e Terra, 1999.

LAFER, Celso. Paradoxos e possibilidades. Rio de Janeiro:

Nova Fronteira, 1982.

MOYN, Samuel. The last utopia: human rights in history.

Massachusetts: Harvard University Press, 2010.

LANNA JÚNIOR, Mário Cléber Martins (Comp.).

História do Movimento Político das Pessoas com Deficiência

no Brasil. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos,

Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da

Pessoa com Deficiência, 2010.

LEE, Elizabeth Holler. A incorporação dos tratados internacionais

de direitos humanos pelo ordenamento jurídico brasileiro. Disponível em

artigos_leitura&artigo_id=11170&revista_caderno=16>.

Acesso em: 20 dez. 2012.

MADRUGA, Sidney. Pessoas com deficiência e direitos

humanos: ótica da diferença e ações afirmativas. São

Paulo: Saraiva, 2013.

MAIOR, Izabel Maria Madeira de Loureiro. Aniversário

da ratificação da CDPD no Brasil: como estaria o Brasil

sem a ratificação da Convenção da ONU sobre os

Direitos das Pessoas com Deficiência, 2011. Disponível

em: .

Acesso em: 17 out. 2013.

MAZZUOLI, Valerio de Oliveira. Tratados internacionais

de direitos humanos e direito interno. São Paulo: Saraiva, 2010.

OLIVEIRA, Luiza Maria Borges. Cartilha do Censo 2010:

pessoas com Deficiência. Brasília: SDH-PR/SNPD, 2012.

OLIVEIRA, Eliane. Brasil tem fila de 237 tratados sem

aval do Congresso. 2013. O globo. Disponível em:

oglobo.globo.com/pais/brasil-tem-fila-de-237-tratadossem-aval-do-congresso-0190137>.

Acesso em 17 out. 2013.

PIOVESAN, Flávia. Direitos humanos e o direito constitucional

internacional. 11. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

PIOVESAN, Flávia. Tratados Internacionais de Proteção

dos Direitos Humanos: Jurisprudência do STF. Disponível

em: .

Acesso em: 12 jun. 2013.

PIOVESAN, Flávia. A Constituição Brasileira de 1988 e

os Tratados Internacionais de Proteção dos Direitos Humanos.

Disponível em:

revista_direito/3edicao/Artigo%203.pdf> Acesso em:

jan. 2013.

PIOVESAN, Flávia. Convenção da ONU sobre os Direitos

das Pessoas com Deficiência: inovações, alcance e impacto.

In: FERRAZ, Carolina Valença et al. (Org.) Manual dos

direitos da pessoa com deficiência. São Paulo: Saraiva, 2012.

RAMOS, André de Carvalho. Teoria geral dos direitos

humanos na ordem internacional. São Paulo: Saraiva, 2012.

REZEK, Francisco. Direito Internacional Público: curso

elementar. 13. ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

REIS, Rossana Rocha. Os direitos humanos e a política

internacional. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, n.

, p. 33-42, 2006b. Disponível em:

scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-

&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em:

abr. 2009.

SABÓIA, Gilberto Vergne. Um improvável consenso:

a Conferência Mundial de Direitos Humanos e o Brasil.

Política Externa, São Paulo, v. 2, n. 3, p. 17-38, dez. 1993.

SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Reconhecer pra

libertar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

SARLET, Ingo Wolfgang. A Reforma do Judiciário e os

Tratados Internacionais de Direitos Humanos: algumas notas

sobre o novo §3° do art. 5° da Constituição. Disponível

em

depoimentos/n9/1.pdf>. Acesso em: 13 jan. 2013.

SASSAKI, Romeu Kazumi. Como chamar as pessoas

que têm deficiência. 2005. Disponível em:

w w w.planetaeducacao.com.br/portal/artigo.

asp?artigo=1855>. Acesso em: 19 out. 2013.

SHELTON, Dinah. The Boundaries of Human Rights

Jurisdiction in Europe. Duke Journal of Comparative and

International Law, n. 13, v. 1, jan./abr. 2003.

SILVA, Adriana Monteiro da. A Convenção sobre os Direitos

das Pessoas com Deficiência: histórico e considerações

iniciais, 2010. Disponível em:

blogspot.com.br/2010/12/convencao-sobre-osdireitos-da-pessoa.html>.

Acesso em: 15 out. 2013.

SOUZA FILHO, C. F. M. Multiculturalismo e direitos

coletivos. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.).

Reconhecer pra libertar. Rio de Janeiro: Civilização

Brasileira, 2003.

TENÓRIO, Oscar. Direito internacional privado. 11. ed.

Rio de Janeiro: F. Bastos, 1976. v. 2

TIBÚRCIO, Carmen. A Emenda Constitucional n.

e temas de direito internacional. In: TIBÚRCIO,

Carmen. Temas de direito internacional. Rio de Janeiro:

Renovar, 2006.

TRIEPEL, Carl Heinrich. Les rapports entre le droit interne

et le droit international. RCADI, 1923. t. 1.

TRINDADE, Antônio Augusto Cançado. “A

evolução da proteção dos direitos humanos e o papel

do Brasil”. In: INSTITUTO INTERAMERICANO

DE DERECHOS HUMANOS. A proteção dos direitos

humanos nos planos nacional e internacional: perspectivas

brasileiras. Brasília: Instituto Interamericano de

Derechos Humanos, 1992.

TRINDADE, Antonio Augusto Cançado. A

humanização do direito internacional. Belo Horizonte: Del

Rey, 2006.

TRINDADE, Antonio Augusto Cançado. Balanço dos

resultados da Conferência Mundial para os Direitos

Humanos. Revista IIDH, Viena v. 18, p. 11-28, 1993.

TRINDADE, Antonio Augusto Cançado; ROBLES,

Manuel E. Ventura. El futuro de la Corte Interamericana

de Derechos Humanos. San José, Costa Rica: Corte

Interamericana de Direitos Humanos/ACNUR, 2004.

TRINDADE, Antonio Augusto Cançado. O Direito

Internacional em um mundo em transformação. Rio de Janeiro:

Renovar, 2002.

TRINDADE, Antônio Augusto Cançado. Tratado de

Direito Internacional dos Direitos Humanos. 2. ed. Porto

Alegre: S. A. Fabris , 2003. v. 1.

TRINDADE, Antônio Augusto Cançado. Tratado de

direito internacional dos direitos humanos. Porto Alegre: S. A.

Fabris, 1999. v. 2.

VALLADÃO, Haroldo. Direito internacional privado. 5.

ed. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1980. v. 1.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rdi.v11i1.2689

ISSN 2236-997X (impresso) - ISSN 2237-1036 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia