A Executividade das Sentenças da da Corte Interamericana de Direitos Humanos no Brasil

Augusto Resende

Resumo


O Brasil é Estado parte da Convenção Americana sobre Direitos Humanos e, de acordo com o artigo 62 da Convenção Americana, reconheceu a competência contenciosa da Corte Interamericana de Direitos Humanos, motivo pelo qual deve cumprir as sentenças do aludido Tribunal espontânea, imediata e integralmente, sob pena de ajuizamento de ação judicial executiva com o objetivo precípuo de garantir o cumprimento total da decisão. No entanto, o art. 68.2 da Convenção Americana sobre Direitos Humanos atribui eficácia executiva somente à parte pecuniária das sentenças proferidas pela referida Corte, não fazendo menção a eventual condenação de natureza extrapatrimonial. Sendo assim, o presente trabalho científico tem como objetivo principal apresentar, a partir de uma pesquisa dedutiva, doutrinária e legislativa, argumentos favoráveis à concepção de que as sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos, independentemente da natureza da obrigação imposta à República Federativa do Brasil, são títulos executivos judiciais. Para concluir, ao final, que as condenações extrapecuniárias da Corte Interamericana de Direitos Humanos podem ser executadas perante o Poder Judiciário brasileiro.

Palavras-chave


Corte Interamericana de Direitos Humanos. Sentença. Título executivo.

Texto completo:

PDF

Referências


BARROSO, Luís Roberto. Curso de direito constitucional

contemporâneo: os conceitos fundamentais e a construção

do novo modelo. São Paulo: Saraiva, 2009.

BARROSO, Luís Roberto. Interpretação e aplicação da Constituição:

fundamentos de uma dogmática constitucional

transformadora. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2008.

BERNARDES, Márcia Nina. Sistema interamericano

de direitos humanos como esfera pública transnacional:

aspectos jurídicos e políticos da implementação de decisões

internacionais. SUR: Revista Internacional de Direitos

Humanos, São Paulo, v. 8, n. 15, p. 135-156, dez. 2011.

CÂMARA, Alexandre Freitas. Lições de direito processual

civil. 19. ed. Rio de Janeiro: Lúmen Juris, 2011. v.2.

GONZÁLEZ-SALZBERG, Damián A. A implementação

das sentenças da Corte na Argentina: uma análise

do vaivém jurisprudencial da Corte Suprema da Nação.

SUR – Revista Internacional de Direitos Humanos, São Paulo,

v. 8, n. 15, p.115-133, dez. 2011.

DIDIER JÚNIOR, Fredie et al. Curso de direito processual

civil. 3. ed. Salvador: Jus Podivm, 2010. v.5

MARINONI, Luiz Guilherme. Teoria geral do processo. 6.

ed., São Paulo: Revista dos Tribunais, 2012.

MAZZUOLI, Valério de Oliveira. Direito dos tratados.

São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

MAZZUOLI, Valério de Oliveira Os sistemas regionais de

proteção dos direitos humanos: uma análise comparativa dos

sistemas interamericano, europeu e africano. São Paulo:

Revista dos Tribunais, 2011.

PIOVESAN, Flávia. Direitos humanos e justiça internacional.

ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

PIOVESAN, Flávia. Direitos humanos e direito constitucional

internacional. 11. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

RAMOS, André de Carvalho. Processo internacional de direitos

humanos. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rdi.v10i2.2579

ISSN 2236-997X (impresso) - ISSN 2237-1036 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia