É interessante para o Brasil aderir ao tratado sobre compras governamentais da OMC?

Aubrey de Oliveira Leonelli, Clarissa Sanches Chagas Monassa

Resumo


A correta utilização do instituto jurídico da licitação, seja no âmbito nacional ou internacional, prevê que sejam elaboradas normativas que privilegiem a livre concorrência, bem como a transparência do processo licitatório. O presente artigo objetiva apresentar um estudo jurídico acerca das normas brasileiras sobre licitações e traçar um comparativo com as regras internacionais contidas no Acordo sobre Compras Governamentais da Organização Mundial do Comércio (OMC), a fim de verificar se há interesse para o Brasil em fazer parte desse Acordo, destacando, para tanto, os argumentos teórico-jurídicos favoráveis e os contrários e verificando a questão da transparência e da livre concorrência presentes nessas normativas. Para alcançar o objetivo supramencionado, via método comparativo, primeiramente realizou-se revisão bibliográfica sobre a dinâmica das negociações comerciais no âmbito da OMC, suas regras para licitação internacional e as normas jurídicas vigentes no direito administrativo brasileiro sobre compras governamentais. Em seguida, estabeleceu-se breve análise comparativa entre os dois regimes jurídicos, destacando semelhanças e diferenças. Concluiu-se que, apesar do Acordo sobre Compras Governamentais da OMC ser de grande valia, norteando os processos licitatórios de seus membros, no Brasil, a legislação vigente é bastante abrangente e complexa, garantindo aos participantes um processo eficiente e isonômico. Desta feita, parece acertado dizer que, para o Brasil, seria desnecessário aderir ao Acordo e abrir o seu mercado de licitações nos moldes traçados pela normativa OMC. Cumpre salientar que a temática do artigo é inédita, relevante e multidisciplinar, sendo que aspectos de política e economia corroboraram para o desenvolvimento da proposta. Além disso, os processos de compras governamentais mundiais giram em torno de 10 a 15% do PIB dos países, sendo de grande relevância econômica, política e social.

Palavras-chave


Licitação. OMC. Direito Comparado

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, Robert D.; ARROWSMITH, Sue (Org.).

The WTO regime on government procurement: challenge an

reform. Cambridge, 2011.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República

Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de

Brasília: Senado Federal, 2013.

BRASIL. Lei nº 8.666 de 21 de junho de 1993. Regulamenta

o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui

normas para licitações e contratos da Administração

Pública e dá outras providências.

BRITTO, Carlos Ayres. Perfil Constitucional da Licitação.

Curitiba: Znt, 1997.

CASELLA, Paulo Borba; ACCIOLY, Hildebrando;

SILVA, G. E. do Nascimento e. Manual de Direito Internacional

Público: de acordo com o parecer da Corte Internacional

de Justiça sobre a independência de Kosovo,

de 22 de julho de 2010. 19 ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

CRUZ, Jocema Bittencourt da et al. Compras Governamentais

no Âmbito da Organização Mundial do

Comércio e na Legislação Brasileira. Revista de Ciências

Jurídicas, v. 3. n. 2. 2011. Disponível em:

www.revistas2.uepg.br/index.php/lumiar>. Acesso em:

set. 2012.

GRANZIEIRA, M. L. M. Licitações Internacionais. In:

RODAS, João G. (Coord.). Contratos internacionais. 3. ed.

São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002.

JOB, Ulisses da Silveira. OMC: multilateralismo e desenvolvimento.

Curitiba: Juruá, 2011.

JUSTEN FILHO, Marçal. Comentários à lei de licitações e

contratos administrativos. 14. ed. São Paulo: Dialética, 2010.

LAFER, Celso. A OMC e a regulamentação do comércio internacional:

uma visão brasileira. Porto Alegre: Livraria do

Advogado, 1998.

LAMY, Pascal. Foreword. In: ANDERSON, Robert

D.; ARROWSMITH, Sue (Org.). The WTO regime on

government procurement: challenge an reform. Cambridge:

Disponível em:

res_e/booksp_e/gpa_foreword_e.pdf>. Acesso em:

set. 2012.

MAGNOLI, Demétrio; SERRAPIÃO JR, Carlos.

Comércio exterior e negociações internacionais. São Paulo: Saraiva,

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR. Balança comercial brasileira: dados consolidados. 2011. Disponível em: . Acesso

em: 10 ago. 2012.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR. Princípios. 2012. Disponível em:

gov.br>. Acesso em: 10 ago. 2012.

MONASSA, Clarissa Chagas Sanches. Relações jurídicas

internacionais de comércio à luz do princípio da ética da responsabilidade de Hans Jonas. São Paulo: Letras Jurídicas, 2012.

NEVES, Gustavo Bregalda. Direito internacional público e

direito internacional privado. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

NORONHA. Durval de. Ensaios sobre direito internacional.

São Paulo: Observador Legal, 1999.

PAULANI, Leda Maria. A inserção da economia brasileira

no cenário mundial: uma reflexão sobre a situação

atual à luz da história. Boletim de economia e política internacional.

Instituto de pesquisa econômica aplicada. Diretoria

de Estudos e Relações Econômicas e Políticas

Internacionais, n. 10, abr./jun. 2012. Brasília: Ipea; Dinte,

PIETRO, Maria Sylvia Zanella Di. Direito administrativo.

ed. São Paulo: Atlas, 2011.

MONASSA, Clarissa Chagas Sanches e LEONELLI, Aubrey de Oliveira. É interessante para o Brasil aderir ao acordo sobre compras governamentais da OMC?. Revista de Direito Internacional, Brasília,

v. 10, n. 1, 2013 p. 72-84.

PRATA FILHO, Ricardo. Fragilidade dentre gigantes: a

desaceleração do crescimento dos BRICS frente à crise

mundial. Disponível em:

net/2012/10/04/fragilidade-dentre-gigantes-a-desaceleracao-do-crescimento-dos-brics-frente-a-crise-mundialpor-ricardo-prata-filho/>.

Acesso em: 04 out. 2012.

SADER, Emir (Org). O nó econômico. São Paulo: Record,

SARFARI, Gilberto. Teoria das relações internacionais. São

Paulo: Saraiva, 2005.

SEINTENFUS, Ricardo. Manual das organizações internacionais.

ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2008.

SOARES, Cláudio César. Introdução ao comércio exterior:

fundamentos teóricos do comércio internacional. São

Paulo: Saraiva, 2004.

SOUSA, José Meireles de. Fundamentos do comércio internacional.

São Paulo: Saraiva, 2009. v. 2.

THORSTENSEN, Vera. OMC: As regras do comércio internacional

e a nova rodada de negociações multilaterais. 2. ed.

São Paulo: Aduaneiras, 2005.

VARELLA, Marcelo D. Direito internacional público. São

Paulo: Saraiva, 2009.

WORLD TRADE ORGANIZATION. Agreement on

Government Procurement. 1994. Disponível em:

www.wto.org/english/docs_e/legal_e/gpr-94_02_e.

htm>. Acesso em: 02 mar. 2012.

WORLD TRADE ORGANIZATION. .Annual Report

2012. Disponível em:

res_e/booksp_e/anrep_e/anrep12_e.pdf>. Acesso

em: 05 jul. 2012.

WORLD TRADE ORGANIZATION. General Overview

of the WTO work on Government Procurement. 2012. Disponível

em:

gproc_e/overview_e.htm>. Acesso em: 16 maio 2012.

WORLD TRADE ORGANIZATION. Government Procurement.

Disponível em Acesso em: 16 de maio 2012.

WORLD TRADE ORGANIZATION. The plurilateral

Agreement on Government Procurement (GPA). 2012.

Disponível em:

gproc_e/gp_gpa_e.htm#accession>. Acesso em: 03

mar. 2012.

WORLD TRADE ORGANIZATION. What is the

world trade organization? 2013. Disponível em:

wto.org/english/thewto_e/whatis_e/tif_e/fact1_e.

htm>. Acesso em: 12 jan. 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rdi.v10i1.2276

ISSN 2236-997X (impresso) - ISSN 2237-1036 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia