Quanto vale a natureza? O sistema de pagamento por serviços ambientais

Daniela Lopes de Faria

Resumo


O presente artigo pretende analisar o sistema de pagamento de serviços
ambientais como um instrumento econômico de proteção ao meio ambiente.
Para tanto, parte-se primeiramente de uma análise da economia ecológica,
que é um pressuposto do sistema de pagamento por serviços ambientais, para
depois, realizar uma análise comparativa entre os instrumentos de comando
e de controle e os instrumentos econômicos e sua efi cácia e custo-benefício
na preservação ambiental. Construída essa base, passa-se para a análise em
si do pagamento de serviços ambientais, defi nindo os serviços ambientais e
analisando-se as complexas questões de destinatários do benefício e da valoração
do serviço prestado. Como não pode deixar de ser, enumeram-se as
principais críticas ao sistema de pagamento por serviços ambientais e, por
fi m, apresentam-se exemplos internacionais de programas de pagamento de
serviços ambientais, bem como as iniciativas nacionais. Conclui-se, enfi m,
que o pagamento de serviços ambientais não é uma solução mágica para a
crise ambiental, porém é um mecanismo que visa corrigir a falha do mercado
que não reconhece o valor intrínseco que a natureza tem e os benefícios que
ela traz ao bem-estar da sociedade. O sistema de pagamento de serviços ambientais,
se bem planejado e desenhado, com receitas fi nanceiras fi xas, com
o devido monitoramento do cumprimento das obrigações, possibilitando a
participação popular na formulação dessa política pública e, consequentemente,
trazendo um sentimento de empoderamento para as comunidades
benefi ciárias dos pagamentos, pode ser um instrumento efi caz, não somente
na proteção do meio ambiente, mas também na redução da pobreza e das
desigualdades sociais.

Palavras-chave


Economia ecológica. Instrumentos econômicos. Serviços ambientais. Pagamento por serviços ambientais.

Texto completo:

PDF

Referências


BOYD, James; BANZHAF, Spencer. What are ecosystem

services? The need for standardized environmental

accounting units. Ecological Economics, v. 63, p. 616-626,

CAMPOS, Humberto Alves de. Instrumentos

econômicos na gestão ambiental brasileira. Revista de

Direito Ambiental, São Paulo, v. 63, p. 287-303, jul. 2011.

DERANI, Cristiane. Direito ambiental econômico. São

Paulo: Saraiva, 2008.

ENGELA, Stefanie; PAGIOLA, Stefano; WUNDER,

Sven. Designing payments for environmental services in

theory and practice: an overview of the issues. Ecological

Economics, v. 65, p. 663-674, 2008.

FERRAZ, Roberto. Instrumentos econômicos de proteção ao

meio ambiente. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE

DIREITO AMBIENTAL, 12., 2008, São Paulo. Anais...

São Paulo: [s.n.], 2008.

FOLETO, Eliane Maria; LEITE, Michele Benetti.

Perspectivas do pagamento por serviços ambientais e

exemplos de caso no Brasil. Revista de Estudos Ambientais,

Blumenau, v. 13, n. 1, p. 6-17, jan./jun. 2011.

FUNDAÇÃO AMAZONAS SUSTENTÁVEL. Criação e

significado do bolsa floresta. Disponível em:

fas-amazonas.org/pt/secao/ programa-bolsa-floresta/

criacao-e-significado-do-bolsa-floresta>. Acesso em: 15

jan. 2012.

FUNDAÇÃO AMAZONAS SUSTENTÁVEL. Programa

bolsa floresta. Disponível em:

org/pt/secao/programa-bolsa-floresta>. Acesso em: 15

jan.2012.

FUNDAÇÃO AMAZONAS SUSTENTÁVEL. Relatório

de pesquisa de opinião. Disponível em:

www. f as-amazonas.org/pt/useruploads / f i l e s /

apresenta%C3%87%C3%83o_resultado_geralx.pdf>

Acesso em: 15 jan. 2012.

GROOT, Rudolf S. de; WILSON, Matthew A.; BOUMANS,

Roelof M. J. A typology for the classification, description

and valuation of ecosystem functions, goods and services.

Ecological Economics, v. 41, p. 393-408, 2002.

JENKINS, Glenn; LAMECH, Ranjit. Green taxes and

incentive policies: an international perspective. San

Francisco: International Center of Economic Growth and

Harvard Institute of International Development, 1994.

MANKIW, N. Gregory. Principles of economics. Mason:

South-Western College Pub, 2011.

MONTEIRO, Celso. Como funciona o pagamento por

serviços ambientais. Disponível em:

hsw.uol.com.br/pagamento-servicos-ambientais.htm>

Acesso em: 15 jun. 2011.

NOVION, Henry de; VALLE, Raul do. É pagando que se

preserva?: subsídios para políticas de compensação por

serviços ambientais. São Paulo: Instituto Socioambiental,

OST, François. A natureza à margem da lei: a ecologia à

prova do direito. Lisboa: Instituto Piaget, 1997.

PAGIOLA, Stefano; ARCENAS, Agustin; PLATAIS,

Gunars. Can payments for environmental services help

reduce poverty?: an exploration of the issues and the

evidence to date from Latin America. World Development,

v. 33, n. 2, p. 237–253, 2005.

PAGIOLA, Stefano. Payments for environmental services

in Costa Rica. Ecological Economics, v. 65, p. 712-724,

SALZMAN, James. Um campo de verde?: o passado e

o futuro de serviços ecossistêmicos. In: SARLET, Ingo

Wolfgang. Estado socioambiental e direitos fundamentais.

Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2010.

WUNDER, Sven; ALBÁN, Montserrat. Decentralized

payments for environmental services: the cases of

Pimampiro and PROFAFOR in Ecuador. Ecological

Economics, v. 65, p. 685-698, 2008.

WUNDER, Sven; ENGEL, Stefanie; PAGIOLA, Stefano.

Taking stock: a comparative analysis of payments for

environmental services programs in developed and

developing countries. Ecological Economics, v. 65, p. 834-

, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rdi.v9i3.1818

ISSN 2236-997X (impresso) - ISSN 2237-1036 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia