O novo Código Florestal e a ECO-92

Bethânia Itagiba Aguiar Arifa

Resumo


O presente texto consiste em um estudo comparado do Projeto de Lei
do Novo Código Florestal e a ECO-92. O objetivo é analisar a compatibilidade
entre determinados artigos do Projeto de Lei e princípios estabelecidos na
Conferência do Rio de Janeiro de 1992. No decorrer do texto, será defendida
a ideia de que a aprovação do Código, nos termos em que proposto, é um
retrocesso em relação aos esforços do governo brasileiro e da comunidade
internacional para frear o desmatamento e promover a valorização da biodiversidade.
A crítica, contudo, não é mero refl exo do debate apaixonado entre
ruralistas e ambientalistas, que permeia as discussões sobre o Novo Código,
mas de um estudo sobre os princípios do desenvolvimento sustentável e da
precaução e sobre a relevância da participação da sociedade civil nas questões
afetas à defesa do meio ambiente. Espera-se que tais princípios e ideais, estabelecidos
na ECO-92 e que o Brasil se comprometeu a cumprir, sejam levados
em conta no processo de aprovação do Novo Código Florestal e rediscutidos
na Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Rio + 20.

Palavras-chave


Novo Código Florestal. ECO-92.

Texto completo:

PDF

Referências


ANGHINONI, I. et al. Benefícios da integração lavoura

pecuária sobre a fertilidade do solo em sistema plantio

direto. In: FONSECA, A. F.; CAIRES, E. F.; BARTH, G.

Fertilidade do solo e nutrição de plantas no sistema plantio

direto. Ponta Grossa: AEACG/Inpag, 2011.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de lei do novo

código florestal. Projeto n.º 30, de 1º de junho de 2011.

Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa, altera as

Leis n.ºs 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de

dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006;

revoga as Leis n.ºs 4.771, de 15 de setembro de 1965, e

754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória

nº 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras

providências.

BRASIL. Ministério Público Federal. 4ª Câmara. A

violação de compromissos assumidos pelo Brasil perante

a comunidade internacional mediante retrocessos na

proteção legal dos biomas brasileiros. Disponível em:

trabalhos-sobre-o-codigo-florestal/novo-codigoflorestal-

e-atuacao-mpf.pdf>. Acesso em: 27 fev. 2012.

BRASIL. Presidência da República. Decreto-Lei 2.519,

de 16 de março de 1998. Promulga a Convenção sobre

Diversidade Biológica, assinada no Rio de Janeiro, em 05

de junho de 1992.

CASTRO, D. I.; M. C.; FERNANDES, R. O papel do ente

municipal para promover o desenvolvimento sustentável.

In: BENJAMIN, A. H. (Org.). Paisagem, natureza e

direito. São Paulo: Instituto o Direito por um Planeta

Verde, 2005. 2 v. p. 3-13.

CHAVES, H. M. L. O Novo Código Florestal Brasileiro e

o Futuro. Revista Jurídica Consulex, v. 14, n. 331, p. 32-33,

nov. 2010.

DUARTE, M. C. S. As novas exigências do direito

ambiental. In: BELLO FILHO, N. B.; LEITE, J. R. M.

(Org.). Direito ambiental contemporâneo. São Paulo:

Manole, 2004. p. 503-530.

FAGÚNDES, P. R. A. Reflexões sobre o direito ambiental.

In: LEITE. J. R. M; BELLO FILHO, N. B. (Org.). Direito

ambiental contemporâneo. São Paulo: Manole, 2004. p.

-587.

FIGUEIREDO, G. J. P. Código florestal e política nacional.

Revista Jurídica Consulex, ano 14, n. 317, p. 30, mar. 2010.

GUIMARÃES, J. P. O potencial democrático dos

mecanismos institucionais de participação pública nos

processos de regulação sócio ambiental: breve estudo de

caso do setor de petróleo no Brasil. In: BENJAMIN, A. H.

(Org.). Paisagem, natureza e direito. São Paulo: Instituto o

Direito por um Planeta Verde, 2005. 2 v. p. 149-172.

KISS, Alexandre. Os direitos e interesses das gerações

futuras e o princípio da precaução, p. 1-28. In: VARELLA,

M. D.; PLAUTIAU, A. F. B. (Org.) Princípio da precaução.

Belo Horizonte: Del Rey, 2004.

MACEDO, M. C. M. Integração lavoura e pecuária: o

estado da arte e inovações tecnológicas. Revista Brasileira

de Zootecnia, v. 38, p. 133-146, 2009. Suplemento especial.

MACHADO, P. A. L. Direito ambiental brasileiro. São

Paulo: Malheiros, 2011.

MARCHESAN, A. M. M.; STEIGLEDER, A. M.;

CAPPELLI, S. Direito ambiental. Porto Alegre: Verbo Jurídico, 2010.

MARTHA JÚNIOR, G. B.; ALVES, E.; CONTINI, E.

Dimensão econômica de sistemas de integração lavoura

pecuária. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 16,

n. 10, p. 1117-1126, out. 2011.

MASCARENHAS, L. M. A. Direito e dever ao meio

ambiente ecologicamente equilibrado e o estudo do

impacto ambiental. In: BENJAMIN, A. H. (Org.).

Paisagem, natureza e direito. São Paulo: Instituto o Direito

por um Planeta Verde, 2005. 2 v. p. 183-194.

RODRIGUES, J. E. R. et. al. Agenda 21: estágio do

compromisso brasileiro para o desenvolvimento

sustentável do país. Revista de Direito Ambiental, São

Paulo, v. 23, p. 283-299, 2001

SANDS, P. Principles of international environmental law.

Cambridge: University Press, 2003.

FILHO, S. Mudanças no Código Florestal, mas para

onde?. Revista Jurídica Consulex,ano 144, n. 331, p. 42-

, dez. 2010.

VILELA, L.; BARCELLOS, A. O.; GOMES, D. M.

Benefícios da integração entre lavoura e pecuária.

Documentos Embrapa Cerrados, Planaltina/DF, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rdi.v9i3.1795

ISSN 2236-997X (impresso) - ISSN 2237-1036 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia