A lei brasileira da anistia: os conflitos entre o acordo social e a cooperação internacional

Yuri Sahione Pugliese

Resumo


A Lei da Anistia (Lei nº 6.683/79), mecanismo político-jurídico de fundamental importância para a consolidação da democracia no Brasil pós regime ditatorial, traz desafios para o ideal de cooperação e de jurisdição internacional. A anistia, por ser ampla e conceder o perdão a bárbaros crimes de Estado, entra em conflito com o entendimento de outras nações e de Tribunais Internacionais de que crimes praticados pelo Estado que afrontam direitos humanos são imprescritíveis e insusceptíveis de anistia. No centro deste conflito está a decisão do STF, na ADFP nº 130, que afastando a possibilidade do reconhecimento da prática de crimes contra a humanidade pelo Estado, manteve íntegro os limites do perdão. Assim, partindo da posição assumida pelo STF, o presente artigo terá como objetivo analisar as conseqüências jurídicas de tal decisão no que concerne ao dever internacional de cooperar com as demais nações, especialmente com aquelas que pretendem instaurar a persecução penal em face de tais agentes A análise proposta terá duas perspectivas: (i) a dos pedidos de extradição passivos relativos aos crimes de lesa-humanidade praticados no estrangeiro durante o período de abrangência da anistia; (ii) a dos pedidos de extradição passivos relativos aos crimes de lesa-humanidade praticados no estrangeiro durante o período de abrangência da anistia, considerando que um ou mais atos de execução podem ter sido praticados no Brasil ou com a conivência/participação do Estado brasileiro (i.e. Operação Condor).

Palavras-chave


Direito internacional; crimes contra a humanidade; cooperação internacional

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. Eichmann em Jerusalém: um relato

sobre a banalidade do mal. São Paulo: Cia das Letras, 1999.

ARGENTINA. Codigo penal de la nacíon Argentina.

Disponível em:

mesicic3_arg_codigo_penal.htm>. Acesso em: 30 jun. 2011.

BASSIOUNI, M. Cherif. Introduction to international

criminal law. New York: Transnational Publishers, 2003.

BECCARIA, Cesare. Dos delitos e das penas. São Paulo:

Hemus, 1983.

BRASIL. Código Penal. 16. ed. São Paulo: RT, 2011.

BRASIL. Lei n º 6.683, de 28 de agosto de 1979. Disponível

em: . Acesso em: 20 jun. 2011.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. ADPF nº 153. Brasília,

abr. 2010. Disponível em: . Acesso em:

jun. 2011.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Extradição nº 1.085/

IT. Brasília, 08 jun. 2011. Disponível em: .

Acesso em: 25 jun. 2011.

BRASIL.. Supremo Tribunal Federal. Extradição nº 925/

PR. Brasília, 10 ago. 2005. Disponível em:

br>. Acesso em: 27 jun. 2011.

BRASIL.. Supremo Tribunal Federal. Extradição nº 974/

AR. Brasília, 06 ago. 2009. Disponível em:

br>. Acesso em: 25 jun. 2011.

CASTRO, Celso. O golpe de 1964 e a instauração do regime

militar. Rio de Janeiro: Centro de Pesquisa e Documentação

de História Contemporânea do Brasil (CPDOC-FGV).

Disponível em:

FatosImagens/Golpe1964.>. Acesso em: 25 jun. 2011.

COSTA RICA. Corte interamericana de direitos humanos:

caso Gomes Lund e outros (“Guerrilha do Araguaia”)

versus Brasil. São José, 24 nov. 2010. Disponível em:

corteidh.or.cr>. Acesso em: 20 jun. 2011.

DINGES, John. Os anos do condor: uma década de

terrorismo internacional no cone sul. São Paulo: Cia das

Letras, 2005.

DIRETOS Humanos. Carta maior. São Paulo. Disponível

em:

materiaMostrar.cfm?materia_id=15155&boletim_

id=445&componente_id=8012>. Acesso em: 10 jun. 2011.

FERREIRA, Marieta de Moraes. As reformas de

base. Rio de Janeiro: CPDOC-FGV Disponível em:

NaPresidenciaRepublica/As_reformas_de_base>. Acesso em: 25 jun. 2011.

GOMES, Luiz Flávio; MAZZUOLI, Valério de Oliveira.

Crimes da ditadura militar: uma análise à luz da

jurisprudência atual da Corte Interamericana de Direitos

Humanos. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

JAPIASSÚ, Carlos Eduardo Adriano. O Tribunal penal

internacional. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2004.

MALARINO, Ezequiel; AMBOS, Kai. Persecución penal

nacional de crímenes internacionales en América Latina y

España. Montevidéu: Konrad-Adenauer Stift ung, 2003.

POLÍTICA. Carta Capital. Rio de Janeiro. Disponível em:

a-faxina-para-outros-nos-arquivos-da-ditadura>. Acesso em: 15 jun. 2011.

ROCHA, Leonel. Cacofonia Ofi cial. Revista Época, Rio de

Janeiro. Disponível em:

Revista/Epoca/0, emi116453-15223,00-cacofonia+ofi cial.

html>. Acesso em: 12 jun. 2011.

SCHABAS, William A. Th e UN International criminal

tribunals: the former Yugoslavia, Rwanda and Sierra Leone.

New York: Cambridge University Press, 2006.

SILVA, Alberto Franco. Código penal e sua interpretação. 8.

ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.

SUSHEK, Adriana; VIETA, Carina. Corte Penal

Internacional. Buenos Aires: Biblioteca del Congresso de

la Nación, 2003.

WEICHERT, Marlos Alberto. Anistia a graves violações

a direitos humanos no Brasil: um caso de suprema

impunidade. Revista OABRJ, Rio de Janeiro, v. 25, n. 2 ,jul./

dez. 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rdi.v9i2.1757

ISSN 2236-997X (impresso) - ISSN 2237-1036 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia