Os "triângulos normativo e judicial europeus”: a coerência intersistemática em matéria de direitos humanos

Belisa Carvalho Nader

Resumo


O artigo visa analisar o chamado “triângulo europeu” de proteção dos direitos humanos, caracterizado por uma complexa articulação normativa e judicial dos três sistemas de proteção coexistentes na Europa: a nível nacional, a nível internacional e a nível da União Européia. Para tanto, parte-se da apresentação da internormatividade verificada na Europa, traduzida na concorrência e, principalmente, na complementaridade das matrizes normativas, o que exige a exposição do consagrado princípio da proteção mais elevada como mecanismo harmonizador dessa pluralidade. Em seguida, desenvolve-se a proteção judicial dos direitos humanos na Europa, enfatizando a articulação e, acima de tudo, a influência recíproca entre os diversos tribunais competentes, inclusive mediante referência a algumas decisões que retraram a evolução dessa aproximação. Por fim, conclui-se que essa complexa articulação normativa e judicial verificada na Europa molda a chamada “identidade jurídica européia”, caracterizada por uma imprescindível coerência intersistemática na proteção dos direitos humanos. Ainda, conclui-se ser a Convenção Européia para a proteção dos Direitos do Homem e das Liberdades Fundamentais o principal instrumento normativo da Europa, exprimindo uma verdadeira convergência européia em matéria de direitos humanos. Da mesma forma, conclui-se ser o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem o guardião máximo dos direitos humanos na Europa, desempenhando um verdadeiro papel integrador.

Palavras-chave


Direitos humanos; internormatividade; princípio da proteção mais elevada; Tribunal Europeu dos Direitos do Homem

Texto completo:

PDF

Referências


ALEMANHA. Constituição (1949). Grundgesetz für die Bundesrepublik Deutschland. Disponível em:

Daten/1330556/ConstituicaoPortugues_PDF.pdf>. Acesso em: 1 dez. 2011.

ALONSO GARCIA, R. Th e general provisions of the charter of fundamental rights of the European Union. European Law Journal, v. 8, n. 4, p. 492-514, Dec. 2002.

ANDRADE, J. C. Vieira de. A carta européia dos direitos fundamentais e as constituições nacionais. In: ANDRADE, J. C. Vieira de et al. Carta de direitos fundamentais da União Européia. Coimbra: Coimbra, 2001. p. 83-88.

BESSELINK, Leonard F. M. Entrapped by the maximum standard: on fundamental rights, pluralism and subsidiarity in the European Union. Commom Market Law Review, n. 35, p. 629-680, 1998.

BOTELHO, Catarina Santos. A proteção internacional regional dos direitos do homem. In: A TUTELA direta dos direitos fundamentais: avanços e recuos na dinâmica garantística das justiças constitucional, administrativa e internacional. Coimbra: Almedina, 2010. p. 315-371.

CALLEWAERT, Johan. Th e European Convention on Human Rights and European Union Law: a long way to harmony. European Human Rights Law Review, 6, p. 768- 783, 2009.

CANOTILHO, J. J. Gomes. Brancosos e interconstitucionalidade: itinerários dos discursos sobre a historicidade constitucional. 2. ed. Coimbra: Almedina, 2008.

CANOTILHO, J. J. Gomes. Direito constitucional e teoria da constituição. 7. ed. Coimbra: Almedina, 2008.

CANOTILHO, Mariana Rodrigues. O princípio do nível mais elevado de proteção em matéria de direitos fundamentais. 2008. 257 f. Dissertação (Mestrado em iências Jurídico-Políticas) – Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, Coimbra, 2008.

CASTRO, Carlos Henrique Siqueira. A constituição aberta e os direitos fundamentais: ensaios sobre o constitucionalismo pós-moderno e comunitário. Rio de Janeiro: Forense, 2005.

CONSELHO DA EUROPA. Carta Social Europeia. Disponível em:

socialcharter/Presentation/TreatiesIndex_en.asp>. Acesso em: 1 dez. 2011.

CONSELHO DA EUROPA. Convenção Europeia para a Proteção dos Direitos do Homem e das Liberdades Fundamentais. Disponível em:

asp?MA=3&CM=7&CL=ENG>. Acesso em: 1 dez. 2011.

DUARTE, Maria Luisa. A carta dos direitos fundamentais da União Europeia: natureza e meios de tutela. In: ESTUDOS de direito da União e das Comunidades Europeias. Coimbra: Coimbra, 2006. p. 255-289.

DUARTE, Maria Luisa. O direito da União Europeia e o direito europeu dos direitos do homem: uma defesa do “triângulo judicial europeu”. In: ESTUDO em homenagem ao Prof. Doutor Armando M. Marques

Guedes. Lisboa: AAFDL, 2004. v. 2, p. 735-760.

DUARTE, Maria Luisa. O modelo europeu de protecção dos direitos fundamentais: dualidade e convergência. In: ESTUDOS de direito da União e das Comunidades Europeias. Coimbra: Coimbra, 2006. v. 2, p. 191-203.

DUARTE, Maria Luisa. União Europeia e direitos fundamentais: no espaço da internormatividade. Lisboa: AAFDL, 2006.

ESPANHA. Constituição (1978). Constitución Española.

Disponível em:

cion/indice/ >. Acesso em: 1 dez. 2011.

GARCÍA ROCA, Javier. El preámbulo contexto hermenéutico

del Convenio: un instrumento constitucional del

orden público europeu. In: ROCA, Javier García; SANTOLAYA,

Pablo (Coord.). La Europa de los derechos: el

Convenio Europeo de Derechos Humanos. Madrid, 2005.

p. 21-47.

HÄBERLE, Peter. Derecho constitucional común

europeu. Revista de Estudios Políticos, n. 79, p. 7-46, 1993.

HÄBERLE, Peter. Teoría de la constitución como ciencia

de la cultura. Madrid: Tecnos, 2000.

HERMIDA DEL LLANO, Cristina. El sistema de

protección de los derechos fundamentales en el ámbito de

la Unión Europea. In: LOS DERECHOS fundamentales

en la Unión Europea. Barcelona: Anthropos, 2005. p. 85-

HOFFMANN, Florian; RINGELHEIM, Julie. Par-delà

l’universalisme et le relativisme: la Cour européenne

des droits de l’homme et les dilemmes de la diversité

culturelle. Revue Interdisciplinaire d’Etudes Juridiques, n.

, p. 109-142, 2004.

LEÃO, Anabela Costa. A Carta dos direitos fundamentais

da União Europeia: protegendo os direito a um nível

multidimensional. Revista da Faculdade de Direito do

Porto, ano 3, p. 41-76, 2006.

LUHMANN, Niklas. O conceito de sociedade. In: NEVES,

C. B.; SAMIOS, E. M. B. (Org.). Niklas Luhmann: a nova

teoria dos sistemas. Porto Alegre: UFRGS, 1997.

LUHMANN, Niklas. Sistemas sociales: lineamientos

para una teoría general. Barcelona: Anthropos; México:

Universidad Iberoamericana; Santafé de Bogotá: CEJA,

Pontifi cia Universidad Javeriana, 1998.

MACHADO, Jónatas E. M. Direito internacional:

do paradigma clássico ao pós-11 de setembro. 3. ed.

Coimbra: Coimbra, 2006.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Pacto Internacional

sobre os Direitos Civis e Políticos. Disponível em:

. Acesso

em: 1 dez. 2011.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Pacto Internacional sobre os Direitos Econômicos, Sociais e Culturais. Disponível em: . Acesso em: 1 dez. 2011.

PERNICE, Ingolf. Multilevel constitutionalism and the Treaty of Amsterdam: european constitution-making revisited? Common Market Law Review, n. 36, p. 703-750, 1999.

POLAKIEWICZ, Jörg. Th e status of the Convention in National Law. In: BLACKBURN, Robert; POLAKIEWICZ, Jörg (Ed.). Fundamental Rights in Europe: the ECHR and its member states, 1950-2000. Oxford: Oxford University Press, 2001. p. 31-53.

PORTUGAL. Constituição (1976). Constituição da República Portuguesa. Disponível em:

www. p a r l ament o. pt / L e g i s l a c a o / P a g i n a s /

ConstituicaoRepublicaPortuguesa.aspx>. Acesso em: 1

dez. 2011.

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA UNIÃO EUROPEIA. Caso Nold. Processo C-4/73. Decisão de 14 de maio de 1974. Disponível em:

/73&td=ALL&parties=Nold>. Acesso em: 1º dez. 2011.

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA UNIÃO EUROPEIA. Caso Rutili. Processo C-36/75. Decisão de 28 de outubro de 1975. Disponível em: . Acesso em: 1 dez. 2011.

TRIBUNAL EUROPEU DOS DIREITOS DO HOMEM. Caso Bosphorus v. Ireland. App. 45036/98. Decisão de 30 de junho de 2005. Disponível em: . Acesso em: 1 dez.2011.

TRIBUNAL EUROPEU DOS DIREITOS DO HOMEM. Caso D.H. and others v. Czech Republic. App. 57325/00. Decisão de 13 de novembro de 2007. Disponível em:

d=83008418&skin=hudoc-en >. Acesso em: 1 dez. 2011.

TRIBUNAL EUROPEU DOS DIREITOS DO HOMEM. Caso M. & Co. v. Germany. App. 13258/87. Decisão de 9 de fevereiro de 1990. Disponível em:

hudoc-en>. Acesso em: 1 dez. 2011.

TRIBUNAL EUROPEU DOS DIREITOS DO HOMEM. Caso Mathews v. United Kingdom. App. 24833/94. Decisão de 18 de fevereiro de 1999. Disponível em:

&skin=hudoc-en>. Acesso em: 1 dez. 2011.

TRIBUNAL EUROPEU DOS DIREITOS DO HOMEM. Caso Scoppola v. Italy. App. 10249/03. Decisão de 17 de setembro de 2009. Disponível em:

hudoc-en>. Acesso em: 1º dez. 2011.

UNIÃO EUROPEIA. Carta de Direitos Fundamentais da União Europeia. Disponível em: . Acesso em: 1 dez. 2011.

UNIÃO EUROPEIA. Tratado da União Europeia. Disponível em: . Acesso em: 1 dez. 2011.

UNIÃO EUROPEIA. Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia. Disponível em: . Acesso em: 1 dez. 2011.

WEILER, J. H. H. Fundamental rights and fundamental boundaries: on the confl ict of standards and values in the protection of human rights in the European legal space. In: THE CONSTITUTION of Europe: do the new clothes have an emperor? and other essays on European

integration. Cambridge: Cambridge University Press, 1999. p. 102-129.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rdi.v9i2.1741

ISSN 2236-997X (impresso) - ISSN 2237-1036 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia