Desafios da integração regional e meio ambiente: a questão ambiental nas negociações entre Brasil e Argentina

Anatércia Rovani

Resumo


O objetivo desse artigo está em analisar esta complexa interrelação entre os processos de desenvolvimento e tratamento de questões ambientais, refletindo-se numa interessante ligação entre as relações internacionais e o meio ambiente. Parte-se da percepção de que o intenso crescimento das transações comerciais internacionais, inerentes a processo de globalização, tem induzido ao aumento, proporcionalmente intenso, das preocupações quanto às possíveis conseqüências advindas destes processos, como, por exemplo, em relação aos impactos sobre o meio ambiente. Pretende-se analisar a forma com que a temática ambiental é inserida nas negociações multilaterais - especialmente em relação ao comércio internacional - primeiramente em um âmbito amplo, no intuito de reconhecer como vem sendo tratada a complexa relação desenvolvimento versus preservação ambiental em nível internacional; e, posteriormente focalizando-se no aspecto regional, ou seja, nas relações bilaterais entre Brasil e Argentina. Para tanto, utilizou-se uma metodologia analítica descritiva, na qual prevaleceu à pesquisa bibliográfica relacionada ao tema. Por meio dessa forma investigativa, tratou-se de questionar inicialmente a problemática de países em desenvolvimento, como Brasil e Argentina, cujas relações comerciais são intensas, nos quais se observa um descompasso entre o fluxo das transações comerciais e o tratamento da proteção ambiental. Na análise desenvolvida, constatou-se que nas diretrizes do Mercosul normas de caráter ambiental que sejam vinculantes aos países membros não existem de forma efetiva. Trata-se de uma conjuntura que conduz à inexistência da proteção ambiental, vez que envolve políticas distintas, e por vezes conflitantes. , em relação à proteção do meio ambiente. Contudo, a viabilidade dessa política tem-se como possível pela existência de uma diplomacia amistosa entre ambos países mas que, no entanto, efetivamente está distante da realidade.

Palavras-chave


integração regional – meio ambiente – Brasil – Argentina - Mercosul

Texto completo:

Texto completo

Referências


ALMEIDA, Paulo Roberto de. Mercosul: fundamentos e

perspectivas. 2.ed. São Paulo: LTr, 1998.

APEX BRASIL. Agencia Brasileira de Promoção de

Exportações e Investimentos. Argentina Intercâmbio

bilateral. 19/01/2007.

BALICKI, Marcelo. A delimitação do princípio da

precaução e o paradigma complexo de Edgar Morin.

Revista de Direito Ambiental, São Paulo, v. 12 n. 48, out/

dez., 2007.

BARRAL, Welber. Dumping e comércio internacional: a

regulamentação antidumping após a Rodada Uruguai. Rio

de Janeiro: Forense, 2000.

BECK, Ulrich. O que é globalização? Equívocos do

globalismo e respostas à globalização. São Paulo: Paz e

Terra, 1999.

BECK, Ulrich. Risk society: towards a new modernity. Great

Britain: Sage Publications, 1992.

BIANCHI, Patrícia Nunes Lima. Meio Ambiente:

certifi cações ambientais e comércio internacional. 2. ed.

Curitiba: Juruá, 2008.

CARVALHO, Délton W. Os riscos ecológicos e a sua gestão

pelo Direito Ambiental. Estudos Jurídicos, São Leopoldo,

v.39, n.2, jul./dez., 2006.

CASELLA, Paulo B.; ARAÚJO, Nádia (Coord.). Integração

jurídica interamericana: as Convenções Interamericanas

de Direito Internacional Privado (CIDIPs) e o direito

brasileiro. São Paulo: LTr, 1998.

CASTILHO, S.C.P. et al. Os Acordos Multilaterais

Ambientais e a OMC. 2004. Disponível em:

cepea.esalq.usp.br/pdf/cma_mar04fi nal.pdf.>. Acesso em:

out., 2009.

COMISSÃO EUROPEIA. Relatório geral sobre actividade

da União Européia: 2008. Bruxelas: Comunidade Européia,

Disponível em:< http://europa.eu/generalreport/pt/

rg2008pt.pdf>. Acesso em: 06 out.2010

COMUNIDADE EUROPÉIA. Comunicação da

Comunidade. Comunicação da Comissão das Comunidades

Europeias relativa ao Princípio da Precaução. Bruxelas:

Editora, 2000.

FEKETEKUTY, G.; ROGOWSKY, R. Th e scope, implication

and economic rationale of a competition oriented approach

to future multilateral trade negotiations. In: ARNDT, A.;

MILNER, C. Th e World Economy. Cambridge: Blackwell, 1996.

FREITAS, M. A. S. Análise de risco e incerteza na gestão

hidroambiental. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE

RECURSOS HÍDRICOS, 15., 2003, Curitiba. Anais...

Curitiba: ABRH, 2003.

GIDDENS, Anthony. Um mundo desbocado: los refl ectos

de la globalización en nuestras vidas. Madrid: Grupo

Santillana, 1999.

GOMES, Carla A. Textos dispersos de direito do ambiente.

Lisboa: A.A.F.D. Lisboa, 2009.

GONÇALVES, R. As relações Brasil-EUA e a formação da

ALCA. In: ALCA e meio ambiente. Rio de Janeiro: FASE, 2000.

KOTLER, Philip. O marketing das nações: uma abordagem

estratégica para construir as riquezas nacionais. São Paulo:

Futura, 1997.

KRASNER, Stephen (Org.). International regimes. Ithaca:

Cornell, 1983.

LEITE, José Rubens Morato; AYALA, Patryck de Araújo. A

transdisciplinaridade do direito ambiental e a sua equidade

interacional. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, n. 22,

abr./jun., 2001.

LUHMANN, Niklas. Risk: a sociological theory. New

Brunswick, New Jersey: Transaction Publishers, 2008.

LUHMANN, Niklas. Sociología del riesgo. 3.ed. México

(D.F.): Universidad Iberoamericana, 2006.

LUHMANN, Niklas. Sociología del riesgo. Guadalarara: Univ.

Iberoamericana, 1992.

MAGRINI, Alessandra. Política e gestão ambiental:

conceitos e instrumentos. Revista Brasileira de Energia, Rio

de Janeiro. v. 8, n. 2, p. 135-147, 2001.

MERCOSUL. Tratado de Assunção: tratado para a

constituição de um mercado comum entre a república

argentina, a república federtiva do brasil, a república do

paraguai e a república oriental do uruguai Disponível em:

http://www.MercosulMercosul.gov.br/tratados-e-protoco

los/tratado-de-assuncao-1/.>.Acesso em:02 out..2010

MOTA, Mauricio. Princípio da precaução no direito

ambiental: uma construção a partir da razoabilidade e

da proporcionalidade. Revista de Direito Ambiental, São

Paulo, v.13 n.50, , p. 180-211, abr/jun., 2008.

MUÑOZ, Heraldo. A nova política internacional. São

Paulo: Alfa-Omega, 1996.

PESSANHA, Lavínia de; WILKINSON, John. Transgênicos,

recursos genéticos e segurança alimentar. Campinas:

Armazém do Ipê, 2005, 130.

QUEIROZ, Fábio Albergaria de. Meio ambiente e comércio

internacional: relação sustentável ou opostos inconciliáveis?

Brasília. 2003. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento

Sustentável) - Centro de Desenvolvimento Sustentável

(CDS), Universidade de Brasília, Brasília, 2003.

QUEIROZ, Fábio Albergaria de. Meio Ambiente e

comércio na agenda internacional: a questão ambiental nas

negociações da OMC e dos blocos econômicos regionais.

Ambiente & sociedade, Campinas, v.8, n. 2, dec. 2005.

REUNIÃO ORDINÁRIA DO SUBGRUPO DE

TRABALHO DO MERCOSUL, 17., 2001, Florianópolis.

SGT-6/Ata Nº 2/2001: realizada em março de 2001.

VARELLA, Marcelo D.; PLATIAU, Ana Flávia;

SCHLEICHER, Rafael. Meio ambiente e relações

internacionais: perspectivas teóricas, respostas

institucionais e novas dimensões de debate. Revista

Brasileira de Política Internacional, Brasília, ano 47, n.2,

p.2-32, 2004.

VARGAS, Everton Vieira. Átomos na integração: a

aproximação Brasil-Argentina no campo nuclear e na

construção do Mercosul. Revista Brasileira de Política

Internacional. Brasília, v. 40, n. 1, jun. 1997. Disponível

em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_

arttext&pid=S0034-73291997000100003&lng=pt&nrm=i

so >. Acesso em: 21 out. 2010.

VIOLA, Eduardo. Reunião de estudos: Brasil-Argentina:

uma relação estratégica: síntese histórica do Mercosul.

Brasília: Presidência da Republica, Gabinete de Segurança

Institucional, Secretaria de Acompanhamento e Estudos

Institucionais, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rdi.v9i1.1533

ISSN 2236-997X (impresso) - ISSN 2237-1036 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia