Marco legal da inovação e o aumento da interação entre universidade e empresa : contribuições para a consolidação do direito fundamental ao desenvolvimento

Thiago Paluma, Eline Débora Teixeira

Resumo


O presente artigo aborda as principais mudanças trazidas pela Lei da Inovação (Lei 10.973/2004), posteriormente modificadas pelo Marco Legal da Inovação (Lei 13.243/2016), no que tange aos seus reflexos para o aumento da interação entre as universidades e as empresas, na perspectiva da consolidação do direito fundamental ao desenvolvimento. Adotar-se-á ao longo desse estudo o conceito de desenvolvimento de Amartya Sen, que consiste em uma perspectiva mais ampla e integrada entre desenvolvimento não apenas econômico, mas também social, com base no aumento das liberdades individuais. Ademais, abordar-se-á o referido conceito como pano de fundo para se conceber o direito ao desenvolvimento como um verdadeiro direito fundamental. Por fim, analisar-se-á em que medida o aumento da interação entre universidade e empresa pode contribuir para a consolidação do direito fundamental ao desenvolvimento, através de uma análise crítica da referida legislação e das políticas públicas estabelecidas por ela.

Palavras-chave


Marco legal da inovação; direito ao desenvolvimento; universidades;

Texto completo:

PDF

Referências


ALEXY, Robert. Teoria dos direitos fundamentais. São Paulo: Malheiros, 2ª ed., 2017.

BRASIL. Lei n.º 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 3 dez. 2004. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm>. Acesso em: 22 jun. 2018.

______. Decreto nº 5.563, de 11 de outubro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.973, de 2 de dezembro de 2004, que dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 2005. Disponível em: . Acesso em: 21 de jul. de 2018.

______. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Portaria no 251, de 12 de março de 2014. Brasília: MCTI, 2014. Disponível em: . Acesso em: 21 de jul. de 2018.

______. Câmara do Deputados. Projeto de Lei no 2.177/2011. Institui o Código Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação. Brasília: Câmara dos Deputados, 2011. Disponível em: Acesso em: 17 de jul de 2018.

______. Lei n.º 13.243, de 11 de janeiro de 2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação e altera a Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004, a Lei nº 6.815, de 19 de agosto de 1980, a Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, a Lei nº 12.462, de 4 de agosto de 2011, a Lei nº 8.745, de 9 de dezembro de 1993, a Lei nº 8.958, de 20 de dezembro de 1994, a Lei nº 8.010, de 29 de março de 1990, a Lei nº 8.032, de 12 de abril de 1990, e a Lei nº 12.772, de 28 de dezembro de 2012, nos termos da Emenda Constitucional nº 85, de 26 de fevereiro de 2015. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 12 jan. 2016. Disponível em: Acesso em: 22 jun. 2018.

______. Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. Produtivismo includente: empreendedorismo vanguardista. Brasília: SAE/PR, 2015.

______. Senado Federal. Projeto de Lei da Câmara no 77/2015. Brasília: Senado Federal, 2015. Disponível em: . Acesso em: 21 de jul. de 2018.

______. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Política de Propriedade Intelectual das Instituições Científicas e Tecnológicas do Brasil. Relatório Formict 2016. Brasília, 2017.

______. Palácio do Planalto. Mensagem Presidencial nº 8, de 11 de janeiro de 2016. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília: Palácio do Planalto, 2016. Disponível em: .

______. INSTITUTO NACIONAL DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Relatório de Atividades INPI 2017. Disponível em: . Acesso em: 22 de jun. de 2018.

______. Relatórios Econômicos OCDE: Brasil 2018. Fevereiro de 2018. Disponível em: < https://www.oecd.org/eco/surveys/Brazil-2018-OECD-economic-survey-overview-Portuguese.pdf>. Acesso em: 21 de jul. de 2018.

______. Decreto nº 9.283, de 7 de fevereiro de 2018. Regulamenta a Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004, a Lei nº 13.243, de 11 de janeiro de 2016, o art. 24, § 3º, e o art. 32, § 7º, da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, o art. 1º da Lei nº 8.010, de 29 de março de 1990, e o art. 2º, caput, inciso I, alínea "g", da Lei nº 8.032, de 12 de abril de 1990, e altera o Decreto nº 6.759, de 5 de fevereiro de 2009, para estabelecer medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo, com vistas à capacitação tecnológica, ao alcance da autonomia tecnológica e ao desenvolvimento do sistema produtivo nacional e regional. Diário Oficial da União, Brasília, 2018. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm>. Acesso em: 21 de jul. de 2018.

BUCCI, Maria Paula Dallari. As políticas públicas e o Direito Administrativo. Revista Trimestral de Direito Público, n. 13, São Paulo: Malheiros, 1996, p. 135.

COMPARATO, Fábio Konder. Ensaio sobre o juízo de constitucionalidade de políticas públicas. Revista dos Tribunais, ano 86, n. 737, março, São Paulo, 1997.

CRUZ, Hélio Nogueira da. SOUZA, Ricardo Fasti de. Sistema nacional de inovação e a lei da inovação: análise comparativa entre o bayh-dole act e a lei da inovação tecnológica. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 11, nº.4, p .329-354, out/dez. 2014.

DWORKIN, Ronald. Levando os direitos a sério. Tradução e notas Nelson Boeira. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FMI. World Economic Outlook Update: july 2018. Disponível em: . Acesso em: 21 de jul. de 2018.

GERSTENBLITH, B.A. & Popma, S.J. (2012). Bayh-Dole: Statute, Regulation and Implication for Government Contractors. Journal of Intellectual Property Law & Practice 7, no. 7.

OCDE (2018), Relatórios Econômicos OCDE: Brasil 2018, Éditions OCDE, Paris. Disponível em: . Acesso em: 17 de jul. de 2018.

PALUMA, Thiago. Propriedade Intelectual e direito ao desenvolvimento. São Paulo: Pillares, 2017.

PÓVOA, L.M.C. Patentes de universidades e institutos públicos de pesquisa e a transferência de tecnologia para empresas no Brasil. Belo Horizonte: UFMG, 2008 (Tese de Doutorado em Economia).

RAUEN, C. O novo marco legal da inovação no brasil: o que muda na relação ICT-empresa? Radar 43, fev.de 2016.

RUAS, Maria das Graças. Análise de Políticas Públicas: Conceitos Básicos.In: Maria das Graças Ruas; Maria Izabel Valladão de Carvalho. (Org.). O estudo da política. Brasília: Paralelo 15, 1998.

SAMPAT, B.N., Mowery, D.C. & Ziedonis, A.A. (2003). Changes in University Patent Quality after the Bayh–Dole Act: A Re-Examination. International Journal of Industrial Organization 21, no. 9, 1371- 90.

SANTOS, S.A. Evolución institucional de la vinculación de la universidad con el sector productivo. In "Vinculación Universidad - Sector Productivo", BIO/ SECAB/CINDA, Santiago, 1990.

SARLET, Ingo Wolfgang. A Eficácia dos Direitos Fundamentais. 8ª Edição, Porto Alegre : Livraria do Advogado Ed., 2007.

SEN, Amartya. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SILVA. José German Burgos. El derecho y su impacto en el desarrollo: líneas analíticas dominantes. Revista diálogos de saberes, p. 11-23, jul-dez 2009.

VIEIRA, Oscar Vilhena, DIMOULIS, Dimitri. Constituição e desenvolvimento. In: Fragmentos para um dicionário crítico de direito e desenvolvimento. São Paulo: Ed. Saraiva, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v9i1.5622

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia